Central Única de Trabalhadores

Comando Nacional rejeita proposta de 7,5% da Fenaban e negociação continua nesta quarta

20 outubro, terça-feira, 2015 às 10:50 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Comando

A Fenaban apresentou uma proposta de reajuste salarial abaixo das reivindicações da categoria, na primeira rodada de negociação depois do início da greve, realizada na tarde desta terça-feira (20), no hotel Maksoud Plaza, em São Paulo. A proposta rejeitada pelo Comando Nacional dos Bancários ainda na mesa foi de 7,5% reajuste salarial sem abono salarial.

As negociações continuam nesta quarta-feira (21), às 11h, no mesmo local. O Comando reafirmou aos banqueiros que pretende negociar ganho real.

Roberto von der Osten, presidente da Contraf-CUT e um dos coordenadores do Comando, reforçou que a categoria não aceita redução de salários. “Sobre o ponto de vista da esperança que os bancários e as bancárias tinham de que hoje os banqueiros iam começar um debate do ganho real, foi frustrante. Hoje, apresentaram uma proposta de reajuste de 7,5%, que representa uma redução de salário. Nós avisamos para eles, nós não estamos aqui para discutir redução de salário”, explicou.

Para Roberto, a retomada da negociação foi positiva. “Demonstra uma vontade de acertar uma campanha que seja boa para os dois lados. Agora, apresentar uma proposta de 7,5% foi ultrajante. Ela é menor até que a proposta de 5,5% mais um abono de R$ 2,500. Foi decepcionante. Esperamos que os banqueiros realinhem essa posição e tragam para a gente uma proposta, que seja reposição da inflação mais um ganho real. É isso que esperamos ouvir amanhã”, disse.

Nesta terça, a greve da categoria teve no seu 15º dia, com 12.567 agências e 33 centros administrativos com as atividades paralisadas em todo o país. Na área de abrangência do Sindicato dos Bancários  de Porto Alegre e 14 municípios da Região Metropolitana, o movimento voltou a crescer. Foram 417 agências fechadas. No Rio Grande do Sul foram 1.096 agências paralisadas.

Greve greve

“Nós temos que continuar mobilizados, determinados, com unidade, para mostrarmos que continuamos indignados e que queremos, com a força da greve, dobrar a intransigência deles. Além da reposição da inflação e do ganho real, queremos reposição de emprego, segurança para trabalhar nos locais de trabalho, saúde e igualdade de oportunidade. Principalmente, nós queremos que acabem com as demissões, a rotatividade e que os trabalhadores não continuem adoecendo por serem submetidos ao assédio moral para cumprir metas inatingíveis”, reforçou o presidente da Contraf-CUT.

“O Comando considerou a proposta muito ruim e orientou os bancários a fortalecer a GREVE e ampliar a participação. Estamos na mesa com os banqueiros da Fenaban para discutir aumento real. A Fenaban disse que vai consultar os bancos e retoma os debates amanhã (nesta quarta)”, disse o presidente do SindBancários, Everton Gimenis.

Após a conclusão dos debates com a Fenaban, haverá negociação das reivindicações específicas com o Banco do Brasil.

Funcionários do BRDE paralisam e ampliam mobilização

Por duas horas, nesta terça-feira (20),  bancários do BRDE paralisaram suas atividades, no auditório do 14º andar da sede do banco, em Porto Alegre. Mais uma vez, os colegas deram exemplo de luta por busca de avanços na pauta específica.

BRDE1

Os funcionários decidiram também que, na próxima terça-feira (27), a partir das 14h, haverá nova paralisação de duas horas no saguão de entrada do banco. É tempo de pressionar pela abertura das negociações imediatamente.

Agenda de mobilização em Porto Alegre

Quarta-feira, 21/10
Ato estadual em defesa do Banrisul público
10h – Concentração na Caldas Junior, em frente à DG
12h – Caminhada à Praça da Matriz para entregar o Dossiê Banrisul no Palácio Piratini e na Assembleia Legislativa

Quinta-feira, 22/10
14h – Assembleia organizativa da greve dos bancários no Clube do Comércio (Andradas, 1.085).

 

Fonte: CUT-RS com SindBancários e Contraf-CUT