Central Única de Trabalhadores

Com Sérgio Nobre, “Trenzão da greve geral” impulsiona mobilização no RS contra reforma da Previdência

29 maio, quarta-feira, 2019 às 4:31 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

CUT-no-Mercado-2

CUT-no-Mercado-2

A CUT-RS realizou no início da manhã desta quarta-feira (29) o “Trenzão da greve geral”, impulsionando a mobilização na Região Metropolitana de Porto Alegre contra a reforma da Previdência. A atividade contou com a participação do secretário-geral da CUT Nacional, Sérgio Nobre.

Após concentração no Sindicato dos Sapateiros de Novo Hamburgo, dirigentes de vários entidades filiadas no Vale dos Sinos partiram às 7h45 no Trensurb, o metrô de superfície dos gaúchos, até Porto Alegre. Com bonés, camisetas e bandeiras vermelhas da CUT, eles entraram num dos vagões, que aos poucos ficou totalmente lotado, onde distribuíram panfletos aos passageiros e dialogaram sobre os prejuízos da proposta do governo Bolsonaro.

Concentração do Trenzão (2)

Os sindicalistas também explicaram à população a importância de cada trabalhador e trabalhadora cruzar os braços e ficar em casa na greve geral de 14 de junho para impedir a aprovação da reforma da Previdência, que acaba com a aposentadoria de brasileiros e brasileiras, em especial os mais pobres, além de protestar contra os cortes na educação e defender uma política de geração de emprego e renda.

A Secretaria de Comunicação da CUT-RS fez uma transmissão online, entrevistando dirigentes sindicais de várias categorias, que alertaram passageiros e internautas de todo o Brasil para a resistência contra o fim da aposentadoria e os cortes de investimentos nas escolas, universidades e institutos federais. Eles também denunciaram a política de privatizações e os ataques à soberania nacional.

“O dia 14 é decisivo para nós, porque, quando a gente fala da Previdência Social, muitos ainda pensam somente em aposentadoria, mas não se trata apenas disso”, afirmou Sérgio Nobre, que explica: “É a Previdência que ampara o trabalhador e a trabalhadora em um episódio de doença ou da viuvez. Além disso, queremos educação e empregos de qualidade".

Panfleteando1-1

Reforma visa destruir economia e implantar selvageria no País

“Em grande parte dos municípios", destacou o dirigente nacional da CUT, “são os recursos da Previdência que mantêm ativa a economia. Por isso, acabar com o sistema previdenciário, que é disso do que se trata a reforma proposta pelo governo Bolsonaro, é destruir a economia brasileira e implementar a selvageria neste País”.

Para Sérgio Nobre, o que está acontecendo com o País é muito grave, por isso, “nós da CUT Nacional estamos viajando a todos os Estados, para alertar a classe trabalhadora sobre a importância da greve geral de 14”.

“A grande imprensa esconde a realidade, ao dizer que a reforma da Previdência é para gerar empregos, pois, na verdade, o objetivo da proposta é pagar aos bancos o apoio que deram à eleição do presidente Bolsonaro e isso precisa ficar claro à população, em especial para os cidadãos mais pobres”, disse o secretário-geral da CUT, ao elogiar a iniciativa de usar o trem urbano para mobilizar o povo.

“É assim, com organização e criatividade, que vamos fazer uma grande greve no dia 14, mobilizados e conversando com a população”, frisou Sérgio Nobre.

Claudir no trem (2)

Greve geral é fim da linha para reforma da Previdência

O presidente da CUT-RS, Claudir Nespolo, aproveitou o momento do desembarque do trem, na Estação Mercado Público, no centro da capital gaúcha, para afirmar que a greve geral “é o fim da linha para essa proposta da reforma da Previdência”.

Ele também convocou os trabalhadores e as trabalhadoras. “Façam assembleias nos seus sindicatos, aprovem a greve geral do dia 14 nas suas categorias, intensifiquem o trabalho de mobilização, depois ajudem a organizar as categorias, a conversar em praças públicas com desempregados, com os aposentados, as donas de casa, para que todos estejam conscientes de que em 14 de junho ninguém deve sair de casa para trabalhar”, disse.

Nespolo falou que a marcação da plenária das centrais sindicais desta quarta-feira estimulou ainda mais os dirigentes. “Pactuamos aqui com as centrais, movimentos do campo e principais sindicatos, e tenho certeza de que criamos as condições de paralisar o Brasil para derrotar essa reforma da Previdência, os cortes na educação e todo esse aparato do governo que está ameaçando de destruição o futuro do País”, destacou o presidente da CUT-RS.

“Já está todo mundo entendendo o que tem por trás dessa proposta de reforma da Previdência e é assim que vamos construir a greve geral: com o nosso povo nas ruas, nos trens, nos pontos de ônibus, nas igrejas, convencendo a população. Tenho certeza de que nós não vamos permitir que o governo desmonte a Previdência Social”, disse Sérgio Nobre.

No trem (2)

Após o desembarque, os dirigentes sindicais foram até a plenária das centrais, que lotou o auditório do SindBancários. Lá, os representantes de todas as centrais reforçaram a unidade para parar o Rio Grande do Sul no dia 14 de junho e reafirmaram a decisão de ir às ruas com estudantes e professores nesta quinta-feira (30), contra os ataques e cortes na educação, esquentando a greve geral.

Leia mais

CUT-RS e centrais reforçam unidade para parar o Rio Grande do Sul em 14 de junho

Assista à primeira transmissão do "Trenzão da greve geral"!

Assista à continuidade da transmissão do "Trenzão da greve geral"! 

 

 

 

Fonte: CUT-RS com Vanilda Oliveira – CUT Nacional