Central Única de Trabalhadores

Com salários parcelados e sem promoções, policiais civis do RS avaliam possibilidade de greve

5 abril, terça-feira, 2016 às 8:53 am

Comentários    Print Friendly and PDF

policiais

policiais

O Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia do Rio Grande do Sul (Ugeirm) aguarda pelas plenárias na Região Metropolitana e no interior para, então, definir a possibilidade de a categoria entrar em greve. A consulta aos policiais civis de todo o Estado deve ser concluída até o final desta semana.

“Vamos ver o que as plenárias irão deliberar para definir os rumos, mas há uma insatisfação muito grande pela insegurança pública. É uma tristeza esse descaso do governo com a segurança”, afirmou o presidente da Ugeirm, Isaac Ortiz, sobre o sentimento da categoria e a possibilidade de paralisação.

Na quinta (31) e sexta-feira (1º), os policiais do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc) e do Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) aprovaram indicativo de greve, respectivamente. A decisão se deve, entre outros fatores, ao parcelamento dos salários, ao descontentamento com a falta de investimentos na estrutura da Polícia Civil, à falta de pessoal e ainda ao atraso nas promoções. Até agora, o governo José Ivo Sartori (PMDB) pagou apenas duas parcelas do salário do mês de março, somando R$ 1.500. “Isso incomoda muito, é uma desmotivação”, afirmou Ortiz, sobre o parcelamento.

Nesta segunda-feira (4), conforme Ortiz, representantes dos 650 aprovados no concurso público se reuniram com a chefia de Polícia, contudo não foi acenada com a perspectiva de nomeação. Quanto às promoções, segundo o dirigente sindical, no dia 21 de abril completará o terceiro atraso em relação ao calendário previsto.

Também há reclamação dos policiais sobre o uso das delegacias para abrigar presos em flagrante devido à falta de vaga nos presídios gaúchos. “Toda a semana está acontecendo pela falta de estrutura (de presídios). Daqui a pouco, a Polícia Civil não terá onde botar os presos em flagrante e terá de mandar embora”, alertou Ortiz.

 

Fonte: Jaqueline Silveira – Sul21