Central Única dos Trabalhadores

Com avanço da Covid-19, bancários cobram manutenção e reforço do teletrabalho

18 novembro, quarta-feira, 2020 às 4:40 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Teletrabalho4

Teletrabalho4

Com o avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) no Brasil e  no mundo, o Comando Nacional dos Bancários cobrou da Fenaban (federação dos bancos) a realização de uma mesa de negociação para discutir saúde e proteção para os bancários e bancárias, com a manutenção e reforço do teletrabalho. A negociação foi confirmada para esta sexta-feira (20), às 15h.

As lideranças da categoria avaliam que o momento é de manter e reforçar medidas de isolamento social, principalmente, o teletrabalho.

“Entendemos que não é o momento de baixar a guarda. A atuação do movimento sindical bancário junto aos bancos, logo no início da pandemia, garantiu que grande parte da categoria fosse encaminhada para o teletrabalho”, diz a presidenta do Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva.

“Nossa cobrança, neste momento, em que os números de contaminações e internações voltam a crescer, será no memo sentido: manter e reforçar o teletrabalho na categoria durante a pandemia, principalmente no que diz respeito aos trabalhadores do grupo de risco”, completou a presidenta.

Segunda onda

Nesta terça-feira, foi registrado em todo o mundo 11.115 mortes por Covid-19, um novo recorde diário que supera o de 11 mil óbitos no dia 4 de novembro, segundo levantamento da Universidade Johns Hopkins. Na semana anterior, foram registrados quatro milhões de novos casos no planeta e quase 60 mil pessoas morreram devido à doença no mesmo período, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). O pico de mortes durante a primeira onda da pandemia foi de 8.365 pessoas, no dia 17 de abril.

No Brasil, a média móvel de mortes por Covid-19 dos últimos 7 dias foi de 557, a maior desde maio – variou +45% em comparação a média de 14 dias atrás. Já a média móvel de novos casos nos últimos 7 dias foi de 29.674 (+71% em relação a duas semanas atrás).

No total, até ontem, o país acumulava 166.743 vidas perdidas para a doença e 5.909.002 pessoas contaminadas. 

Teletrabalho

Para a presidenta da Sindicato, os bancos já passaram pela fase de adaptação dos processos para o teletrabalho e não faz sentido desmontar todo um sistema de teletrabalho para possivelmente ter de voltar atrás, ‘deslocando novamente os trabalhadores, no caso de uma segunda onda. Devemos, sempre, priorizar a vida’, afirma Ivone.

Mais internações em SP, PR e SC

O Brasil, que nem mesmo saiu da primeira onda, voltou a registrar alta nas internações, em especial nos hospitais particulares.

O estado de São Paulo registrou média móvel de mais de mil internações decorrentes da Covid-19 no domingo 15. Na última quarta-feira 11, foram 1.145, o maior registro desde 10 de outubro. De 17 regiões do estado, 13 registraram aumento nas internações.

Dados da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo mostram que o número de pessoas internadas com a doença na capital paulista cresceu 11,8% nas últimas quatro semanas – até a última sexta-feira 13. Além disso, o número de pessoas em UTIs subiu 71,5%.

“As infecções por Covid têm aumentado na cidade de São Paulo entre as classes A e B nas últimas 3 semanas, e vários hospitais de que tenho informação ou vivência direta (Sírio, Oswaldo, 9 de Julho, Samaritano, Santa Paula, São Luiz…) tiveram aumento significativo de atendimentos, e pelo menos dois desses estão lotados”, relatou a infectologista Chrsitina Fallafrio Novaes, do Hospital das Clínicas, em áudio divulgado pela coluna da jornalista Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo.

No Paraná e em Santa Catarina, hospitais públicos e privados já começaram a adiar cirurgias eletivas, que não têm urgência, para liberar leitos para pacientes com Covid-19.  A capital do Paraná, que acumula 214.210 casos e 5.216 mortes, registrou nesta terça mais 1.500 novos casos de Covid-19 – no total são 60 mil casos. A secretaria da Saúde do estado disse que a suspensão das cirurgias eletivas é temporária, mas não há uma data para retomada dos procedimentos.

Em Santa Catarina, que acumula 260.057 casos e 3.114 mortes, as cidades de Florianópolis, Balneário Camboriú e Itajaí também adiaram as cirurgias eletivas. Criciúma, que também registra aumento significativo do número de internações, também vai adiar. O número de pacientes internados com Covid no estado saltou de 21 para 107 nos dois hospitais da cidade.

Rio Grande do Sul

Foram registrados 71 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, em todo o RS, segundo boletim da Secretaria Estadual da Saúde (SES) divulgado nesta terça-feira. Com isso, a soma de óbitos desde o início da pandemia no estado sobe para 6.314. 

Conforme a SES, entre os óbitos divulgados, um é de agosto e outros quatro de outubro, que agora tiveram as fichas completadas pelos municípios. Os 66 demais são de datas entre os dias 3 e 17 de novembro.

As vítimas fatais registradas foram registradas em Porto Alegre (23), Pelotas (4), Caxias do Sul (3), Canoas (3), Novo Hamburgo (3), Viamão (3), São Leopoldo (2), Sapucaia do Sul (2), Sapiranga (2), Tapes (2), Gravataí, Alvorada, Rio Grande, Bento Gonçalves, Lajeado, Cachoeirinha, Esteio, Osório, Gramado, Eldorado do Sul, Estância Velha, Vacaria, Três Coroas, São Lourenço do Sul, Novo Barreiro, Arroio dos Ratos, Tapera, Xangri-lá, Fortaleza dos Valos, Selbach, Araricá, Cerro Grande do Sul, Guarani das Missões e Humaitá. 

A pasta informou ainda o registro de 3.708 novos casos da doença, elevando para 283.351 o número de pessoas já infectadas no estado. Entre os confirmados, 262.268 (93%) são considerados recuperados.

A taxa de ocupação de leitos de UTI no estado estava em 74,6%, às 18h de hoje, sendo 1.887 pacientes em 2.531 leitos de UTI. Já em Porto Alegre, a taxa de ocupação fechou a terça-feira em 86,48%. 


 

Fonte: CUT Brasil com Brasil de Fato RS