Central Única dos Trabalhadores

Com aumento dos alimentos, INPC encerra 2020 com alta de 5,45%

12 janeiro, terça-feira, 2021 às 3:50 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Cesta básica6

Cesta básica6

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) , que mede inflação percebida por famílias com renda entre um e cinco salários mínimos mensais, fechou 2020 com aumento de 5,45%, a maior taxa desde 2016 (6,58%), após alta de 4,48% em 2019.

O indicador também ficou acima do Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no ano passado (4,52%), segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que anunciou os números na manhã desta terça-feira (12).

O índice é referência para o reajuste do salário mínimo e também das aposentadorias com valor superior a essa remuneração, bem como das negociações coletivas dos sindicatos.

O maior impacto no resultado anual veio do grupo de alimentação e bebidas, que subiu 15,53% e respondeu por 3,42 pontos percentuais da alta de 5,45% do INPC em 2020.

O resultado reflete o impacto maior dos alimentos no orçamento das famílias de baixa renda. O grupo Habitação também teve forte alta de preços (5,69%), com impacto de 1 ponto percentual, refletindo a alta do preço de energia elétrica.

Na passagem de novembro para dezembro, o INPC acelerou de 0,95% para 1,46%. Esta é a maior taxa mensal desde janeiro de 2016 (1,51%) e a maior para dezembro desde 2002, (2,70%).

O maior impacto veio do grupo Habitação, cujos preços subiram 3,12% em dezembro, após alta de 0,46% em novembro, também influenciado pelo custo da energia elétrica.

 

Fonte: CUT-RS com Valor Econômico