Central Única de Trabalhadores

Centrais sindicais criticam Bolsonaro por proteger patrões e atacar direitos dos trabalhadores

5 dezembro, quarta-feira, 2018 às 10:48 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Centrais unidas

Centrais unidas

RBA - Centrais sindicais divulgaram nesta quarta-feira (5), em São Paulo, uma nota conjunta em que criticam a declaração do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), para quem “é horrível ser patrão no Brasil”, o que demonstraria falta de consideração e uma tentativa de “agradar apenas aos empresários, que financiaram e apoiaram sua eleição”.

As entidades também lamentam o anúncio de extinção do Ministério do Trabalho.

Nota de repúdio da CUT contra o fim do Ministério do Trabalho

Criado em 1930, o Ministério do Trabalho “cumpre um papel importante na sociedade”, afirmam as centrais, citando ações como políticas públicas, fiscalização, estímulo as relações trabalhistas e normas de saúde e segurança.

“Para a classe trabalhadora isto representará um retrocesso político que vai resultar em enormes prejuízos aos trabalhadores da ativa, aos aposentados e aos pensionistas. A fiscalização contra trabalhos análogos à escravidão e à prevenção contra acidentes serão desarticuladas, gerando enormes prejuízos à sociedade”, afirmam os sindicalistas.

Além disso, eles sustentam que a medida “viola vários artigos da Constituição e Convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que já foram ratificadas pelo Brasil”. E a transferência da área de registro das entidades do Trabalho para o Ministério da Justiça “tem o claro propósito de criminalizar a ação sindical”.

Na semana que vem, as centrais farão protesto diante da Superintendência Regional, representação local do ministério, no centro de São Paulo.

Leia mais

Trabalhadores estão fora da agenda de Bolsonaro, aponta presidente da CUT

Marinho: “Fechar ministério é agressão à história do mundo do trabalho

Berzoini: governo Bolsonaro será exterminador de direitos e anticivilizatório

Leia a íntegra da nota das centrais

- A declaração do presidente eleito, Jair Bolsonaro, que disse que “é horrível ser patrão no Brasil”, reflete sua falta de consideração e demonstra total desconhecimento da situação causada pela reforma trabalhista, que resultou em perda de direitos e não gerou empregos no País. É lamentável que, em uma nação com 13 milhões de desempregados, o presidente eleito faça tal declaração para agradar apenas aos empresários, que financiaram e apoiaram sua eleição.

- Sobre o fim do Ministério do Trabalho, as Centrais Sindicais lembram que o MT foi criado em 1930, e que cumpre um papel importante na sociedade. Vale ressaltar que sua função é discutir questões como as políticas necessárias para a criação de empregos e a geração de renda, auxílios ao trabalhador, fazer evoluir as relações de trabalho, fiscalizar, promover políticas salariais, de formação e desenvolvimento para os trabalhadores e garantir segurança e saúde no trabalho. Desta forma, a importância e a relevância política do MT são inquestionáveis.

- É preocupante o fim do MT. Para a classe trabalhadora isto representará um retrocesso político que vai resultar em enormes prejuízos aos trabalhadores da ativa, aos aposentados e aos pensionistas. A fiscalização contra trabalhos análogos à escravidão e à prevenção contra acidentes serão desarticuladas, gerando enormes prejuízos à sociedade. E os números já são alarmantes: em 2015 tivemos o registro de 376 mil casos de afastamento em função de acidentes de trabalho.

- A extinção do Ministério do Trabalho viola vários artigos da Constituição e Convenções da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que já foram ratificadas pelo Brasil.

- A transferência do registro sindical para o Ministério da Justiça tem o claro propósito de criminalizar a ação sindical.

- O Brasil precisa de um Ministério do Trabalho técnico, forte, parceiro e protagonista na luta contra a recessão e pela retomada do crescimento econômico do País, com respeito aos direitos sociais, previdenciários e trabalhistas da classe trabalhadora, geração de empregos, distribuição de renda e inclusão social.

 

Miguel Torres
presidente da Força Sindical

Antonio Neto
presidente da CSB – Central dos Sindicatos Brasileiros

Vagner Freitas
presidente da CUT – Central Única dos Trabalhadores

Adilson Araújo
presidente da CTB – Central dos Trabalhadores Brasileiros

José Calixto Ramos
presidente da NCST – Nova Central Sindical dos Trabalhadores

 

 

 

Fonte: Rede Brasil Atual (RBA)