Central Única dos Trabalhadores

Brasil ultrapassa 173 mil vidas perdidas e RS supera 6.800 mortes por Covid-19

1 dezembro, terça-feira, 2020 às 12:27 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Enfermeiros5

Enfermeiros5

O Brasil registrou 317 mortes por Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, entre domingo (29) e segunda-feira (30), ultrapassando a marca de 173.165 vidas perdidas para a doença desde o início da pandemia, em março. A média móvel de mortes nos últimos 7 dias foi de 518 – menos 7% em comparação à média de 14 dias atrás, indicando tendência de estabilidade nas mortes.

Já em relação aos casos confirmados, o Brasil tem registrados no total 6.336.278 pessoas contaminadas pelo novo coronavírus desde março. Deste total, 22.622 foram confirmados nesta segunda, elevando a média móvel nos últimos 7 dias para 35.468 novos diagnósticos por dia, a maior desde 6 de setembro – quando chegou a 39.356 -, o que equivale a uma variação de 20% em relação aos casos registrados em duas semanas, indicando tendência de alta nas contaminações.

Só entre os dias 22 e 28 de novembro, o Brasil registrou 237.486 novos casos de infecções pelo coronavírus. Foi a segunda semana consecutiva de patamares superiores a 200 mil, que não eram registrados desde o início de setembro. 

OMS vê situação no Brasil como "muito preocupante"

A situação do Brasil é "muito preocupante", avaliou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyes. Ele relembrou a queda na velocidade da propagação do vírus no país, observada até o início de novembro, mas ressaltou que o período de declínio foi curto.

Segundo Tedros, "os números estavam em queda até a semana de 2 de novembro", e, menos de um mês depois, "mais uma vez dobraram". 

Situação nos estados

Oito estados tiveram alta na média móvel de mortes: Santa Catarina, Espírito Santo, Acre, Amazonas, Rondônia, Ceará, Pernambuco e Sergipe.

Em outros 7 estados, o número de mortes não subiu nem caiu de forma significativa, portanto, são considerados estáveis: Paraná, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Amapá, Pará, Bahia e Maranhão.

Em 11 estados mais do Distrito Federal, a média móvel de mortes está em queda: Minas Gerais, São Paulo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Roraima, Tocantins, Alagoas, Paraíba, Piauí e Rio Grande do Norte.

Em São Paulo, estado mais afetado pela pandemia, um dia depois da eleição, o governador João Doria (PSDB) decidiu mudar os critérios de reclassificação do estado que vai voltar para a fase amarela do Plano SP, de prevenção a pandemia do novo coronavírus.

Desde o início da pandemia SP já perdeu 49.095 vidas e tem 1.241.653 pessoas contaminadas.

As taxas de ocupação dos leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) são de 59,1% na Grande São Paulo e 52,2% no Estado. O número de pacientes internados é de 9.689, sendo 5.548 em enfermaria e 4.141 em UTI, conforme dados das 10h40 desta segunda-feira.

Os 645 municípios de SP têm pelo menos uma pessoa infectada, sendo 598 com um ou mais óbitos. A relação de casos e óbitos confirmados por cidade pode ser consultada em: www.saopaulo.sp.gov.br/coronavirus

Não serão fechados comércio, nem bares, nem restaurantes. A fase amarela é apenas “mais restritiva nas medidas para evitar aglomerações e o aumento do contágio", disse o governador.

Rio Grande do Sul

Com 37 óbitos registrados nas últimas 24 horas, conforme boletim da Secretaria Estadual da Saúde (SES) divulgado nesta segunda-feira, sobe para 6.813 o número de vítimas por covid-19 no Rio Grande do Sul.

O estado também já registra 322.058 infectados pela doença, com a confirmação de 1.382 novos casos pela SES. Dos confirmados, 297.400 (92%) são considerados recuperados.

As novas vítimas fatais registradas foram em Pelotas (4), Porto Alegre (3), Gravataí (3), Caxias do Sul (2), Novo Hamburgo (2), Bagé (2), Santa Maria, Alvorada, Cachoeirinha, Osório, Cruz Alta, Santo Ângelo, Canela, Palmeira das Missões, Três Passos, Sarandi, Imbé, Portão, Lagoa Vermelha, São Marcos, Espumoso, Canguçu, Jaguari, Barra do Ribeiro, Araricá, Rodeio Bonito e Relvado. 

De acordo com o governo do estado, vem se observando um aumento de casos e de internações confirmadas por covid-19. A taxa de ocupação de leitos de UTI em todo o estado está em alerta, mantendo-se nos últimos dias ao redor de 80%. Às 18 de hoje, estava em 79,4%, sendo 2.008 pacientes em 2.538 leitos de UTI.

As UTIs registraram um novo recorde de pessoas com covid-19 internadas em todo o estado nesta segunda-feira. São 790 (39,2%) pacientes com covid-19 confirmada e 154 (7,6%) com suspeita da doença.

Em Porto Alegre, a taxa de ocupação das UTIs fechou a segunda-feira em 89,15%. Três hospitais estão com lotação máxima: Instituto de Cardiologia, Moinhos de Vento e Hospital Vila Nova. Entre os 674 pacientes internados, 266 tem covid-19 confirmada e 19 tem suspeita da doença.

Dos casos confirmados da doença no estado, 48% são mulheres (156.094) e 52% (165.964) homens. A maioria dos casos compreende pessoas de 30 a 39 anos (73.287casos). Já em relação à raça, a predominância é de pessoas declaradas brancas, com 254.543, seguido de não informados (35.589), pretos (13.797), pardos (14.638), amarelos (4.683) e indígenas (1.194). 

No estado, 18.931 profissionais da saúde foram diagnosticadas com a doença, assim como 10.645 imigrantes e 972 pessoas privadas de liberdade.

Após o recebimento de 11 pedidos de reconsideração, o mapa definitivo do modelo de Distanciamento Controlado da 30ª semana, divulgado na tarde desta segunda-feira,, traz 19 regiões em vermelho e duas em laranja. O Gabinete de Crise acatou os pedidos das regiões de Cachoeira do Sul e Guaíba, que permanecem em bandeira laranja (risco epidemiológico médio).

 

Fonte: CUT-RS com CUT Brasil e Brasil de Fato