Central Única dos Trabalhadores

Brasil de Fato – Alexandre Padilha: A pandemia escancarou

12 outubro, terça-feira, 2021 às 9:20 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

SUS-1

SUS-1

BdF – A pandemia escancarou: só aumentando a capacidade nacional de produção de medicamentos, insumos, tecnologia, inovação e serviços da saúde, o SUS e o direito à saúde podem ser sustentáveis no Brasil. 

A pandemia escancarou o grau de dependência que ainda temos no nosso país e em outros países do mundo em relação à produção de medicamentos, de vacinas, de insumos, de tecnologia na área da saúde. 

Revelou que quando um país é totalmente dependente à isso, pode estar ameaçado em situações de pandemia, enquanto à sua soberania, a sua sobrevivência econômica e social e também o direito à saúde estará permanentemente ameaçado. 

A pandemia fez com que os países no mundo busquem reforçar a sua capacidade nacional. O Brasil tem que estar atento a isso e assumir um conjunto de medidas para ampliá-la, contribuindo inclusive para a geração de renda, de emprego, superação da crise econômica e aumento da riqueza, com desenvolvimento, no nosso país.

Durante a pandemia, Bolsonaro fez propaganda de medicamentos sem eficácia e dificultou o acesso da população a vacinas / Mateus Bonomi / AFP

Ao mesmo tempo a pandemia mostrou que as apostas feitas nos governos Lula e Dilma dos desenhos das chamadas parcerias de desenvolvimento produtivo, onde usávamos a capacidade de compra do SUS, a decisão de incorporação de uma vacina no SUS, por exemplo, com o poder de compra para trazer a tecnologia de uma indústria internacional para um laboratório público foi eficaz em aumentarmos a nossa capacidade nacional de produção. 

Essas plataformas vacinais na Fiocruz e no Butantã, feitas nos governos Lula e Dilma, permitiram que essas duas instituições pudessem produzir vacinas para a covid-19 neste momento.

A pandemia também mostrou que essa estratégia está correta.

Tudo isso fez parte dos debates da Comissão do Congresso Nacional, da qual eu fui relator, que discute o complexo econômico e industrial da saúde.

Nesta quarta-feira, dia 13 de outubro, teremos mais um debate sobre isso, discutindo o relatório já apresentado e quais medidas devem ser tomadas pelo governo federal, pelo Congresso, pelo Tribunal de Contas da União, junto com a minha parceira, a deputada Jandira Feghali, presidente da Comissão e pesquisadores, entre eles, dois pesquisadores da Fiocruz, os professores Jorge Bermudez e Carlos Gadelha, que possuem larga experiência em pesquisa neste debate.

Acompanhe a nossa live nas redes do Brasil de Fato e venha compreender mais este tema e participar dessa mudança necessária no Brasil. 

 

Alexandre Padilha é médico, professor universitário e deputado federal eleito pelo PT-SP. Foi ministro da Coordenação Política de Lula e da Saúde de Dilma e Secretário de Saúde na gestão Fernando Haddad

 

Foto: IStock / Brasil de Fato

 

Fonte: Brasil de Fato