Central Única de Trabalhadores

Brasil 247 – Paulo Moreira Leite: Para agradar Trump, Bolsonaro humilha 210 milhões de brasileiros

19 março, terça-feira, 2019 às 11:53 am

Comentários    Print Friendly and PDF

Trump e Bozo

Trump e Bozo

247 – Brasileiros e brasileiras que já viajaram aos Estados Unidos conhecem o ritual de intimidação do serviço diplomático norte-americano.

Filas no consultado para obter o visto, entrevistas com hora marcada e outras exigências típicas marcam os cuidados de um país que faz questão de se proteger no interior de suas fronteiras e tenta evitar  visitantes indesejados. Não faltam relatos de famílias que, na hora de entrar no país, foram submetidas a interrogatórios constrangedores. 

Por razões compreensíveis, até hoje a diplomacia brasileira impunha a mesma exigência a visitantes norte-americanos.

É uma questão de dignidade, auto-respeito, que deve marcar a convivência entre os povos. Ainda que os países sejam diferentes pelo grau de desenvolvimento, pelo padrão de educação ou qualquer outro critério, o princípio universal de que todos são iguais em direitos, qualquer que seja sua origem, gênero ou classe social, é um dos pilares do mundo em que vivemos. Faz parte da cultura contemporânea e foi consagrado pela Carta de Direitos Humanos da ONU, marco de um um período histórico marcado pela denuncia do preconceito, do racismo e do colonialismo.

Ao liberar o ingresso de visitantes norte-americanos, sem receber a contrapartida equivalente, o governo Bolsonaro coloca o país numa posição duas vezes humilhante, de quem se submete a um tratamento diferenciado mas abaixa a cabeça sem um gemido de protesto.  

Herança da Guerra Fria, o controle de fronteiras norte-americanas inclui o veto por razões políticas. 

Numa conjuntura na qual cresce a resistência ao projeto de construção de um muro gigantesco na fronteira que separa os Estados Unidos dos países abaixo do Rio Grande, a eliminação de um simples visto de ingresso no Brasil representa uma vergonha do ponto de vista da cidadania e pode se revelar uma medida irresponsável do ponto de vista da segurança interna.

Além de tratar os habitantes do país como cidadãos de segunda classe, a medida libera as fronteiras para o ingresso de delinquentes e mesmo criminosos de maior periculosidade em busca de um refugio fora dos EUA.

Alguma dúvida?

 

 

Paulo Moreira Leite é colunista do Brasil 47, ocupou postos executivos na VEJA e na Época, e foi correspondente na França e nos EUA

 

 

Fonte: Brasil 247