Central Única de Trabalhadores

Brasil 247 – Leandro Fortes: Fala de Guedes é a volta à senzala

14 fevereiro, sexta-feira, 2020 às 12:35 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Disney (2)

Disney (2)

247 – O frenético circuito de parques e montanhas russas de Orlando, nos Estados Unidos, é uma espécie de campo de iniciação liberal das sociedades colonizadas, ao sul do Equador.

No Brasil, ir à Disney é uma obrigação cultural entre os ricos e, na classe média, um ritual de passagem para crianças e adolescentes ao mundo do capitalismo ocidental usado, dentro de um acordo social miseravelmente precário, como credencial de Primeiro Mundo.

Por outro lado, não ir à Disney tornou-se fonte permanente de frustração entre as famílias de remediados que, em tempos passados (leia-se, governos do PT), esbaldavam-se no fulgurante universo multicolorido de Mickey, Donald e Pateta.

Trata-se, essencialmente, de uma frustração de classe, o que, no delírio permanente da classe média brasileira, significa uma interdição ao acesso de um direito sagrado que, em passado recente (leia-se, governos do PT), chegou a ser maculado pela presença de estranhos – os pobres.

É nesse contexto que surge a declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre as empregadas domésticas.

Quase sempre negras, pobres e com baixa (ou nenhuma) escolaridade, as empregadas domésticas simbolizam o estrato social que a classe média branca e racista não quer nem no elevador social, quiçá nos ensolarados parques temáticos da Flórida.

Nos governos petistas, elas foram retiradas da senzala, 130 anos depois da abolição, e colocadas no mundo dos direitos trabalhistas, para desgosto da classe média mantenedora de quartinhos de empregada.
Após o golpe de 2016, iniciou-se um movimento para colocá-las, de novo, no pelourinho social.

A fala de Guedes nada mais é do que a verbalização desse sentimento.

 

Leandro Fortes é jornalista e colunista do Brasil 247

 

Foto: Wilson Dias – Agência Brasil | Reprodução/Twitter

 

Fonte: Brasil 247