Central Única de Trabalhadores

Brasil 247 – Joana Darc Faria de Souza e Silva: Dia Internacional da Mulher

7 março, quinta-feira, 2019 às 8:02 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Mulheres de luta

Mulheres de luta

247 - Neste 8 de março, Dia Internacional da Mulher, mais do que nunca, tão necessário em tempos de trevas, conservadorismos e retrocessos retumbantes, aqui e acolá. O Dia da Mulher “é um elo da longa e sólida corrente do movimento de mulheres trabalhadoras”, as mais destituídas de direitos, principalmente as mulheres negras e indígenas.

É bom lembrar que como mães e mulheres, nossas reivindicações são causas de toda classe trabalhadora, daí a importância da união de classe em defesa do Brasil e do povo brasileiro.

O 8 de março é dia de celebrar nossas árduas conquistas, mas também de denunciar a atual ministra da mulher que é contra as mulheres; os crimes ambientais e de lesa pátria; o aumento do desemprego, o feminicídio e a violência de todos os tipos, o desmonte da saúde e da educação e da previdência; a legalização das injustiças; a barbárie; os desdobramentos do golpe de 2016, orquestrada e patrocinada pelas elites do dinheiro, uma irracionalidade da extrema direita e da mídia tacanha em pleno século XXI, na República das bananas, jabuticabas, goiabas e laranjas.

É lamentável saber que estamos passando pela maior ofensiva global, sorrateira, covarde, neoliberal, imperialista estadunidense na América Latina e no Caribe, sobretudo no Brasil, militarizado, com as forças do passado e subserviente ao capital financeiro mais selvagem da História da humanidade. “De que progresso se trata, o do homem ou já do Deus dinheiro?” (Louise Michel, 1880).

Neste 8 de março se faz necessário lembrar de inúmeras mulheres revolucionárias por um Brasil e por um mundo melhor em tempos de guerra fria, híbrida, como querem chamar, mas o certo é a canalhice, a infâmia, a selvageria e a barbárie neste período anti-civilizatório. Basta de golpes em governos populares no Brasil e na América Latina a serviço dos Estados Unidos e do capital financeiro que ataca a classe trabalhadora, principalmente as mulheres com as maléficas Reformas da Previdência e Trabalhista (2017).

Assim lembramos do protagonismo e homenageamos as mulheres: Rosa Luxemburgo, Aleksandra Kollontai, Nadiéjda Krupskaia, Clara Zetkin, Virginia Bolten, Aqualtune, Dandara, Carolina de Jesus, Luiza Mahin, Teresa de Benguela, Angela Davis, Olga Benário, Clara Charf, Lélia Abramo, Rose Marie Muraro, Dorothy Stang, Sueli Carneiro, Sônia Guajajara, Benedita da Silva, Maria da Penha, Marisa Letícia, Lirani Franco, Gleisi Hoffmann, Dilma Rousseff, Marielle Franco e tantas outras da Marcha Mundial das Mulheres, que nos fortalece nas resistências aos golpes, ao bolsonarismo virtual, fraudulento, medíocre, autoritário, fake, fascista, fundamentalista, entreguista e corrupto que mantém sequestradas nossa democracia, nossa soberania, nossas riquezas, nossos direitos construídos também pelas mulheres. A prisão política e ilegal do Presidente Lula para não concorrer às eleições de 2018, nossa maior liderança popular reconhecida no mundo civilizado.

Lula gigante, Dilma coração valente.

Precisamos sair desta cilada, deste vexame do Brasil liquidado que nos envergonha perante o mundo.

A todas as mulheres: a luta continua, com amor, arte e alegria. Viva as mulheres!

Unidas venceremos!

Lula livre! Brasil livre! Mulheres livres!

 

 

Joana Darc Faria de Souza e Silva é professora de História, especialista em Ensino de História, Arte e Cultura. Diretório Municipal do PT de Toledo/PR

 

 

Fonte: Brasil 247