Central Única dos Trabalhadores

Bolsonaro demite Osmar Terra, muda Onyx para Cidadania e general assume Casa Civil

14 fevereiro, sexta-feira, 2020 às 10:36 am

Comentários    Print Friendly and PDF

Onix cai (3)

Onix cai (3)

A novela sobre a saída do deputado federal e ministro Onyx Lorenzoni (DEM-RS) da Casa Civil terminou. Por meio das redes sociais, Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira (13) a saída do deputado federal Osmar Terra (MDB-RS) do Ministério da Cidadania, sendo substituído por Onyx.

Onyx estava passando por instabilidade no governo. De apoiador de primeira hora e nome mais forte do bolsonarismo, ele acabou entrando em uma crise gerada em sua pasta pela demissão, por duas vezes, de um de seus secretários-executivos após uso de um avião da FAB para viajar à Índia.

Para o lugar de Onyx na Casa Civil, Bolsonaro nomeou o general do Exército da ativa Walter Souza Braga Netto, responsável pela recente intervenção militar na Segurança Pública do Rio de Janeiro. Com isso, o ex-capitão militarizou quase todos os cargos principais do Palácio do Planalto.

No Ministério da Cidadania, Onyx terá sob o seu comando os principais programas sociais do governo, como o Bolsa-Família, cujo número de beneficiados vem sendo drasticamente reduzido e que contribuiu para a queda de Osmar Terra, além das denúncias de contratação da empresa B2T, investigada por fraudes no extinto Ministério do Trabalho durante o governo Temer.

Na postagem, Bolsonaro agradeceu Osmar Terra "pelo trabalho e dedicação ao Brasil" e informou que o agora ex-ministro segue na Câmara dos Deputados, retomando a vaga que era ocupada pelo suplente Darcísio Perondi (MDB), já cotado para assumir a presidência da Fundação Nacional da Saúde (Funasa), após a exoneração do ex-ministro e deputado não reeleito Ronaldo Nogueira (PTB), alvo da operação Gaveteiro da Polícia Federal.

A cerimônia de transmissão dos cargos acontece na próxima terça-feira (18), às 15h, no Palácio do Planalto.

 

Foto-montagem: Brasil 247 com imagens da Agência Brasil

 

Fonte: CUT-RS com informações da Brasil 247