Central Única de Trabalhadores

Bancários rejeitam proposta da Fenaban e aprovam participação no Dia do Basta

9 agosto, quinta-feira, 2018 às 2:11 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

Bancários assembleia

Bancários assembleia

Os bancários de todo o Brasil rejeitaram a proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban), em assembleias realizadas nesta quarta-feira, dia 8, e aprovaram o calendário de manifestações do Comando Nacional dos Bancários. No Rio Grande do Sul, a categoria se reuniu nas sedes dos sindicatos para avaliar a oferta dos bancos que apenas cobre a inflação nos salários, PLR, vales e demais verbas econômicas, sem aumento real, feita na sexta reunião da mesa única de negociação, realizada na terça-feira (7), em São Paulo.

Os banqueiros também não garantiram que os bancários não serão substituídos por trabalhadores contratados de forma precarizada, a exemplo da terceirização. Além disso, querem alterar cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) da categoria, segundo eles, para garantir segurança jurídica, mas sequer apresentaram a redação das modificações. A próxima rodada de negociação ficou agendada para o dia 17 de agosto (sexta-feira).

“Considero a proposta incompleta. A assinatura do pré-acordo é fundamental. Nos anos anteriores, enquanto negociávamos, prorrogávamos o acordo coletivo. Os banqueiros disseram que querem segurança jurídica em algumas cláusulas, mas não apresentam a redação. Não adianta nós assinarmos um acordo coletivo com aumento real e o banco começar a nos substituir por terceirizados. Temos que buscar esse compromisso na mesa de negociação”, salientou Juberlei Bacelo, diretor da Fetrafi-RS

Dia do Basta

Os bancários também votaram pela participação no Dia do Basta, nesta sexta-feira, 10 de agosto. Aprovaram paralisações parciais. A abertura das agências e dos departamentos bancários será retardada em protesto contra os ataques aos direitos dos trabalhadores e contra o desemprego, a retirada de direitos, as privatizações e os aumentos do gás de cozinha e dos combustíveis. O Dia do Basta foi convocado pela CUT e demais centrais sindicais, com apoio das frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo e de vários movimentos sociais.

O presidente do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre, Everton Gimeis, exaltou a participação dos colegas. A participação maciça demonstra que os bancários entenderam o contexto da necessidade de resistir aos ataques do golpe e estão dispostos a lutar e resistir por direitos.

“Estamos satisfeitos com a participação dos colegas na assembleia. Tomamos a decisão de forma representativa de participar do Dia do Basta e de procurar mobilizar colegas bancários de bancos públicos e privados para paralisarem suas atividades até o meio-dia na sexta-feira. Há muita indignação com a estratégia da Fenaban de enrolar nas mesas de negociação. Essa assembleia foi uma resposta da enrolação tanto na mesa da Fenaban quanto nas mesas específicas dos bancos públicos como Caixa, Banco do Brasil e Banrisul”, detalhou Gimenis.

O secretário de Comunicação da CUT-RS, Ademir Wiederkehr, destacou a importância do Dia do Basta. “Temos que dar um basta aos retrocessos do golpe, como a reforma trabalhista, a tentativa de reforma da Previdência, as privatizações, a venda do pré-sal e a Emenda Constitucional 95, que congelou por 20 anos o orçamento público para investimentos sociais, como saúde, educação e moradia”, salientou.

“Além disso, temos que dar um basta à perseguição ao ex-presidente Lula, condenado sem provas e hoje preso político para impedi-lo de ser candidato nas eleições de outubro, o que ataca a democracia”, frisou Ademir, que é também diretor do SindBancários.

Defesa dos bancos públicos

No dia 15 de agosto será realizado um Dia Nacional de Luta em defesa dos bancos públicos e contra as resoluções 22 e 23 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR), em Brasília, em frente ao Ministério da Fazenda e repercutido nos estados que não puderem participar do ato em Brasília.

Estas resoluções determinam que empresas estatais reduzam despesas com a assistência à saúde dos trabalhadores; e limita a 6,5% da folha de pagamento a participação no custeio dos planos de saúde dos funcionários pelas empresas públicas. Isso afeta tanto a Cassi (plano de saúde dos funcionários do BB) quanto o Saúde Caixa, além de outras estatais federais.

Mobilização dos bancários no Dia do Basta, em Porto Alegre 

7h: Concentração dos bancários na Praça da Alfândega, Centro Histórico de Porto Alegre, entre a Caixa e o Banrisul. Organização e saída de caravanas para formação de piquetes e reuniões de esclarecimento e convencimento em agências bancárias.

8h30: Ato do Dia do Basta em frente à sede da Fecomércio no Centro Histórico de Porto Alegre. Após o ato, caminhada até o Palácio Piratini para Ato contra o desmonte do patrimônio público.

10h30: Caminhada até a sede do Tribunal Regional do Trabalho de Porto Alegre, para ato, organizado pelo próprio TRT, para defender a Justiça do Trabalho e os direitos sociais.

11h: Vigília para acompanhar segunda mesa de negociação dos Banrisulenses. Bancários de bancos púbicos e privados se concentram em frente à sede da Associação dos Bancos do RS (ASBANCOS), na Rua dos Andradas, 1.234, Centro Histórico de Porto Alegre.

Confira a posição de cada sindicato gaúcho nas assembleias!

Quadro das assembleias

 

Fonte: CUT-RS com Fetrafi-RS e Sindicato dos Bancários de Porto Alegre