Central Única dos Trabalhadores

Bancários realizam Dia Nacional de Luta por melhores condições de trabalho na Caixa

6 dezembro, segunda-feira, 2021 às 11:16 am

Comentários    Print Friendly and PDF

Caixa - fachada

Caixa - fachada

CUT – Contra metas desumanas, assédio moral, falta de condições de trabalho e déficit de pessoal, trabalhadores e trabalhadoras da Caixa Econômica Federal realizam nesta terça-feira (7) um Dia Nacional de Luta em Defesa da Caixa e dos seus empregados.

O ato está sendo organizado pela Comissão Executiva de Empregados (CEE/Caixa) e vai protestar também contra o sucateamento do banco público com objetivo de privatização.

“A situação está insustentável”, afirmou o presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sergio Takemoto, que criticou a direção do banco e convocou os trabalhadores para o Dia de Luta.

“Recebemos cada vez mais denúncias dos empregados sobre as condições de trabalho, o desrespeito aos direitos dos trabalhadores”, explicou o dirigente.

“O excesso de trabalho durante a pandemia, pelo visto, não foi uma exceção – a gestão do caos da direção do banco é sistemática e não vamos permitir que os empregados sejam submetidos a tais condições”, complementou Takemoto.

Política de terrorismo

“O que a direção da Caixa está fazendo é uma verdadeira política de terrorismo”, denunciou a coordenadora da CEE/Caixa, Fabiana Uehara Proscholdt.  De acordo com a dirigente, “não há respeito aos direitos dos empregados e nem mesmo aos normativos do banco”.

“A cada dia somos surpreendidos com denúncias e a direção da empresa não faz a menor questão de esclarecer. Tudo isso só aumenta a sensação de insegurança e medo nos empregados”, salienta Fabiana.

Os dois dirigentes reforçam a convocação para o ato do dia 7, fundamental para conter o terrorismo na Caixa.

“É  muito importante que todos se engajem no dia 7 de dezembro. A luta é de todos”, afirmou Takemoto.

“Que seja um Dia de Luta de muita mobilização em todo o País”, destacou Fabiana Uehara Proscholdt.

De acordo com a Fenae, cada sindicato vai organizar sua base e orientar as atividades, preferencialmente nas ruas. As entidades e os trabalhadores também vão fazer um tuitaço no mesmo dia.

 

Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

 

Fonte: CUT Brasil