Central Única dos Trabalhadores

Bancários promovem live show da Consciência Negra no próximo sábado

17 novembro, terça-feira, 2020 às 11:32 am

Comentários    Print Friendly and PDF

Negritude

Negritude

Que a escravidão tornou os negros e as negras os últimos da fila para os melhores postos de trabalho, os salários mais vantajosos e praticamente torna os bancários e as bancárias da raça negra invisíveis para os bancos, a gente sabe muito bem. Também sabemos que isso é obra de um racismo estrutural, herança de antepassados que chegaram em navios negreiros no Brasil por mais de 300 anos. Mas isso está mudando.

Já podemos dizer que, mesmo com todas as dificuldades listadas acima, mesmo com todo o preconceito, começam a surgir profissionais negros e negras, e jovens cursando universidades que antes das ações afirmativas eram propriedade quase que exclusiva de brancos de classe média, de classe alta ou ricos. E começam a surgir bancários e bancárias de sucesso nas agências ou postos de trabalho de bancos públicos e privados.

Mas ainda são poucos. A paisagem das agências bancárias, dos setores de organização e chefias dos bancos ainda é predominantemente branca. E é por isso que o SindBancários começa nesta semana a desenvolver uma campanha de valorização da negritude bancária.

Até as 19h30 do próximo sábado (21), quando ocorre a Live Show da Consciência Negra do SindBancários, contaremos as histórias de colegas negros e negras. Histórias de sucesso. São homens e mulheres que, apesar das dificuldades, venceram o preconceito e são referências em suas áreas.

A bancária do Itaú e secretária de Combate ao Racismo da CUT-RS, Isis Garcia, conta que a ideia é que passemos a contar as trajetórias de sucesso de trabalhadores e trabalhadoras da raça negra, sob a perspectiva da emergência de uma classe média de negros e negras.

“Não podemos nunca esquecer as dificuldades, o racismo estrutural, toda essa carga histórica que acompanha nossas heranças e nossa trajetória. Mas também está mais do que na hora de mostrarmos que, apesar de todas as dificuldades, temos muitos exemplos de negras e negros que conseguiram buscar o que a uma geração parecia impossível”, avalia Isis.

O empregado do Itaú e diretor de Diversidade e Combate ao Racismo do SindBancários, Sandro Rodrigues, conta que a ideia de uma campanha de valorização foi desenhada de modo a não reproduzir uma prática recorrente.

“Muitas vezes, fizemos campanha de Consciência Negra, contando as tragédias pelas quais o povo negro passou. Isso é muito importante e vamos continuar. Mas a hora também é de contar a vida dos heróis. Tem muitos heróis negros e negras e não só bancários, mas também escritores, doutores. Vamos dar visibilidade a esse povo que luta muito por dignidade”, acrescentou o dirigente.

Programação da Live Show da Consciência Negra 2020

Sábado, 21 de novembro

19h30

Assista e participe

facebook.com/SindBancarios.PoA

youtube.com/SindBancáriosPoA

A transmissão será ao vivo, direto do Salão de Festas da Casa dos Bancários.

Todos os cuidados com protocolos de saúde e prevenção da disseminação da Covid-19 serão tomados, conforme prescrição das autoridades sanitárias.

> Abertura com a mestre de cerimônias Valéria Barcellos (cantora e artista trans).

> Depoimentos gravados, com cerca de 2 minutos de duração cada, dos diretores do SindBancários

CARMEN GUEDES

GUARACY GONÇALVES

ISIS MARQUES

Depoimento gravado do historiador Edison Moura, bancário do Itaú, sobre a invisibilidade do negro.

> Painel ao vivo com Carmen Guedes, Guaracy Gonçalves e Isis Marques

> Declamação da poesia “Novembro negro – heróis de ontem, hoje e sempre” com o ator e produtor Sirmar Antunes Corrêa.

> Vinhetas musicais com Irmãs Vidal e Marietti Fialho

> Declamação da poesia “Mulheres Negras” com a atriz, produtora, apresentadora e cantora Silvia Duarte

> Depoimento da mulher, com a ativista política e social da Restinga Juliana Gonçalves.

> Vídeo sobre “Religiosidade e segurança alimentar” com Tata (duração de 10 minutos)

> Encerramento com shows musicais com Irmãs Vidal, Marietti Fialho e Valéria Barcellos.

Por que o 20 de novembro?

O 20 de novembro foi oficializado, como Dia Nacional da Consciência Negra, por lei em 2011. A data faz referência à morte de Zumbi, o líder do Quilombo dos Palmares, que lutou contra a escravidão. Hoje, 325 anos depois da sua morte, seguimos lutando contra um outro tipo de escravidão, que é o racismo e o preconceito ainda tão presentes em nossa sociedade.

 

Fonte: SindBancários