Central Única dos Trabalhadores

Audiência pública na Assembleia Legislativa debate a segurança nas agências bancárias nesta quinta

30 novembro, segunda-feira, 2015 às 6:49 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

9nqswcibt3aevzzbhvvrkx59f

9nqswcibt3aevzzbhvvrkx59f

A Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado Nelsinho Metalúrgico (PT), promove nesta quinta-feira (3), às 10h, no Plenarinho, uma audiência pública sobre a segurança nas agências bancárias. O debate foi proposto pelo deputado Tarcísio Zimmermann (PT).

Com um número de ataques a bancos que não para de crescer, o Rio Grande do Sul se prepara para fechar o ano de 2015 batendo recorde na quantidade de roubos a agências, postos de atendimento e caixas eletrônicos, incluindo sequestros de bancários, além dos crimes de “saidinhas de banco” contra os clientes.

“Torna-se cada vez mais urgente, pela segurança dos bancários, dos clientes e de toda a sociedade, que se tenha finalmente uma legislação estadual para regular as normas de funcionamento seguro dos bancos”, defende o presidente do Sindicato dos Bancários de Porto Alegre, Everton Gimenis.

A necessidade de colocação de porta de segurança, biombos, vidros blindados e câmeras de monitoramento em tempo real, dentre outros itens que dificultem a ação de criminosos e tragam menor risco a clientes e bancários não costuma ser aceita pelos bancos. “Eles não querem arcar com os custos de instalação desses equipamentos e pressionam os legisladores para que a situação não seja resolvida, colocando em risco a vida e a integridade física de todos”, denuncia o dirigente sindical.

face-quero-seguranca

O diretor do SindBancários e da Contraf-CUT e secretário de Comunicação da CUT-RS, Ademir Wiederkehr, avalia que a audiência será um momento oportuno para buscar soluções para a insegurança nos bancos e também na sociedade gaúcha. “Os bancos vêm auferindo lucros gigantescos, mas investem pouco na prevenção de assaltos e sequestros, ao mesmo tempo em que o governo Sartori reduziu investimentos na área de segurança pública, o que diminuiu o número de policiais e aumentou a violência no Estado”, analisa o dirigente sindical, que foi coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária da Contraf-CUT.

“A fragilidade da segurança privada nos bancos e a precarização da segurança pública exigem respostas, pois os trabalhadores e clientes não podem conviver em locais inseguros e desprotegidos”, enfatiza Ademir.

marcha_foto-708x350

O presidente do Sindicato dos Vigilantes do Sul, Loreni Dias, que esteve reunido com o deputado Nelsinho, lembra que, recentemente,foi aprovado em São Borja o projeto de lei que torna obrigatória a instalação de porta giratória, escudo para vigilantes e câmeras de monitoramento. “Os problemas, no entanto, não se restringem apenas ao interior das agências, pois há também empresas que descumprem a legislação do setor quanto às condições de trabalho dos vigilantes”, salienta.

Dias avalia que a audiência pública é muito importante para a categoria, que vai poder expor as suas dificuldades, num momento em que estarão reunidos autoridades, parlamentares e representantes de instituições envolvidas no tema. Ele convida a todos os vigilantes que participem do debate para reforçar as posições assumidas pelo Sindicato na defesa dos seus associados nessas discussões.

Audiência_Dep.-Nelsinho-261115-4p

Além do SindBancários, da Fetrafi-RS e do SindVigilantes, foram convidados a participar da audiência a Secretaria da Segurança Pública, a Associação dos Bancos no Rio Grande do Sul, a Brigada Militar, a Polícia Civil e a Polícia Federal, dentre outras instituições.

 

Fonte: CUT-RS com SindBancários e SindVigilantes do Sul