Central Única dos Trabalhadores

Ato dos petroleiros lembra morte de operador e exige condições seguras de trabalho nesta sexta

4 fevereiro, quinta-feira, 2016 às 2:35 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

03-02-16-morte-reducc

03-02-16-morte-reducc

O Sindicato dos Petroleiros do Rio Grande do Sul realiza nesta sexta-feira (5), a partir das 7h30, em frente à Refap, em Canoas,  um ato público em homenagem ao técnico de operação da Refinaria Duque de Caxias (Reduc), no Rio de Janeiro, Luis Augusto Cabral, morto no trabalho, e também em repúdio à política de segurança e manutenção do Sistema Petrobrás.

No último dia 31 de janeiro, o trabalhador caiu dentro de um tanque, cuja temperatura era de 75º C. O teto do reservatório cedeu, quando o operador subiu para aferir o nível de armazenamento. No final de terça-feira (2), o corpo foi localizado. Esse foi o primeiro óbito do ano por acidente de trabalho na Petrobrás.

Em 2013, durante uma inspeção de equipamentos na refinaria, foi recomendada a troca do teto do tanque, onde o operador morreu. Em 2014, o Ministério do Trabalho interditou vários desses reservatórios devido ao nível acentuado de corrosão nas escadas de acesso e nos tetos. Por isso, a Federação Única dos Petroleiros (FUP) e os sindicatos da categoria consideram que o acontecimento na Reduc foi muito mais do que um acidente grave de trabalho. Foi um crime.

Nesta quarta-feira (3), a FUP e o Sindipetro Caxias organizaram um  ato de repúdio ao acidente que levou à morte do técnico de operação. A atividade reuniu os trabalhadores na entrada principal da Reduc e chamou atenção para a falta de segurança.

Clique aqui para assistir o vídeo do ato na Reduc.

 

Fonte: CUT-RS com informações do Sindipetro-RS