Central Única de Trabalhadores

1º EGDC aprova moção de repúdio ao governo Temer e suas reformas

30 outubro, segunda-feira, 2017 às 12:14 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

EGDC mesa

EGDC mesa

Em plenária estadual do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), realizada no último sábado (28), em Porto Alegre, os participantes aprovaram por aclamação no último sábado (28) uma “moção de repúdio ao governo Temer, contra o trabalho escravo, a retirada de direitos e a venda de patrimônio público”.

“Repudiamos as políticas nocivas do governo ilegítimo Temer, que vem cortando investimentos em saúde, educação, pesquisa e cultura, retira direitos dos trabalhadores e entrega patrimônio público para multinacionais”, salienta o texto.

“Manifestamos nosso apoio à resistência e luta das centrais sindicais e movimentos sociais contra os ataques e as reformas dos golpistas e em defesa dos direitos e do patrimônio do povo brasileiro”, aponta a moção.

A plenária ocorreu ao final do 1º Encontro Gaúcho pelo Direito à Comunicação (EGDC), promovido pelo Comitê Gaúcho do FNDC e realizado no auditório da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação (Fabico) da UFRGS, com mais de 90 comunicadores, dentre jornalistas, estudantes, professores de Comunicação, e dirigentes sindicais.

DSC_3269

Confira a íntegra da moção aprovada!

Moção de repúdio ao governo Temer, contra o trabalho escravo,
a retirada de direitos e a venda de patrimônio público

Nós, participantes do 1° Encontro Gaúcho pelo Direito à Comunicação (1º EGDC), realizado em 27 e 28 de outubro, no auditório da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação (Fabico) da UFRGS, repudiamos as políticas nocivas do governo ilegítimo Temer, que vem cortando investimentos em saúde, educação, pesquisa e cultura, retira direitos dos trabalhadores e entrega patrimônio público para multinacionais.

Temer já vendeu poços do pré-sal e quer privatizar a Eletrobrás, hidrelétricas e até a Casa da Moeda para atender aos interesses do capital privado nacional e internacional, financiadores do golpe.

Denunciado duas vezes por corrupção, Temer se livrou das investigações com a maioria da Câmara dos Deputados, muitos deles também acusados de crimes e ilegalidades.

O governo golpista baixou também uma portaria que impede a fiscalização do trabalho escravo. Uma liminar, porém, concedida pela ministra Rosa Weber, do STF, suspendeu em boa hora essa mudança feita sob encomenda da bancada ruralista para garantir votos a favor de Temer na segunda denúncia na Câmara.

Manifestamos nosso apoio à resistência e luta das centrais sindicais e movimentos sociais contra os ataques e as reformas dos golpistas e em defesa dos direitos e do patrimônio do povo brasileiro.

- Fora Temer! Diretas já!

- Não ao desmonte das políticas públicas!

- Não às reformas trabalhista e da previdência!

- Não ao trabalho escravo e à venda de patrimônio público!

- Calar Jamais!

Porto Alegre, 28 de outubro de 2017.

 

Fonte: CUT-RS com Comitê Gaúcho do FNDC