Central Única de Trabalhadores

Assembleia dos Povos apresenta propostas dos debates do Fórum Social das Resistências

24 janeiro, sexta-feira, 2020 às 8:37 pm

Comentários    Print Friendly and PDF

FSR fala (2)

FSR canta

No quarto dia do Fórum Social das Resistências 2020, que ocorre em Porto Alegre desde a terça-feira (21), aconteceu a tradicional Assembleia dos Povos. Na atividade, realizada na tarde desta sexta-feira (24) no auditório da Fetrafi-RS, no centro de Porto Alegre, foram apresentados os resultados, as diretrizes e as propostas de 11 debates de convergência realizados durante o evento.

“Foi muito forte aqui a questão do Estado Democrático de Direito, da Seguridade Social, do empoderamento das mulheres, da luta LGBT, da luta contra o encarceramento em massa e o genocídio da juventude negra, da mineração e da luta ambiental. E toda solidariedade com os povos indígenas”, explica Mauri Cruz, representante do CAMP, organização que compõe a Associação Brasileira de Organizações Não Governamentais (Abong). “Esse temas foram reiterados bastante como denúncia, e por outro lado com construção de alternativas”.

Durante a tarde, representantes de variados movimentos, entidades e segmentos que ajudaram a construir o Fórum compartilharam os resultados, permeados por apresentações artísticas.

Inicialmente, o músico Zé Martins, do grupo Unamérica, tocou as tradicionais canções populares e de luta latino-americana. No decorrer da atividade, também houve a participação do movimento hip hop, com rimas, dança e um manifesto pela importância da valorização da arte que se conecta com as periferias brasileiras.

Movimentos e entidades se reuniram na atividade de avaliação do Fórum

Rita Freire, que faz parte do conselho internacional do Fórum, destacou que a conjuntura brasileira atual exemplifica o que está acontecendo no mundo. “Nesse Fórum, as assembleias e convergências fizeram muito essa conexão entre o cenário brasileiro de retrocessos, esse projeto que está se instalando violentamente no Brasil com o governo Bolsonaro, com o que está acontecendo no resto do mundo em termos de conservadorismo, recrudescimento do capital e do neoliberalismo, em termos do uso das armas, da guerra”, aponta.

Ela avalia ainda que o Fórum foi um importante espaço para que a diversidade representada nas atividades encontre pontos em comum para travar uma luta transformadora. “Isso é um desafio que se põe em questão, se você faz uma luta revolucionária, ou com identidades, como a luta das mulheres, dos negros, aqui nesse Fórum vimos que essas lutas tão conectadas numa luta maior”.

Para Mauri, outro ponto fundamental é pensar formas e alternativas para a população brasileira enfrentar a crise e construir outras formas de relação para além do capitalismo a partir da cultura, da arte, da economia solidária e da luta nas ruas.

“Esse fórum é um processo, é construído a partir dos movimetos e não preparado por uma cúpula e isso é a fortaleza. Tivemos uma série de debates nesses quatro dias e vamos seguir articulando. Tudo o que se construiu aqui vai gerar uma agenda de lutas que vai se trabalhar em 2020 e certamente vai reverberar no Fórum Social Mundial que acontece no México, em 2021”, conclui.

FSR fala (2)

Agenda de mobilização

2 de fevereiro – Dia em defesa das Águas Sagradas

Março a junho – Campanha/jornada/caravana nacional por Democracia e Direitos humanos

8 de março – Dia Internacional da Luta das Mulheres

18 de março – Dia de Luta contra o Projeto Mais Brasil (Emenda Constitucional 95)

22 de março – Dia Mundial da Água

7 de abril – Dia Mundial da Saúde

1º de maio – Dia Internacional do Trabalho

25 de julho – Dia das Mulheres Negras, Latino-americanas e Caribenhas

7 de setembro – Marcha dos Excluídos

20 de novembro – Dia Nacional da Consciência Negra

3 de dezembro – Dia Internacional contra os Agrotóxicos

Agenda de articulação

Solidariedade Internacional pelos Povos que Lutam por Libertação (Palestina/Curdos)

Fórum Mundial de Comunicação e Democracia

XII FMML Fórum Social Mundial Diversidade e Interseccionalidade

23 a 26 de março – Colômbia – Fórum Social Panamazônico

25 a 27 de junho – Barcelona – Fórum Social Mundial de Economias Transformadoras

20 de novembro a 10 de dezembro – 21 dias de ativismo pelo fim da violência contras as mulheres

Dezembro – Fórum Social das Migrações em Tunes


Assista à transmissão da Rede Soberania

 

Fonte: Marcelo Ferreira e Fabiana Reinholz – Brasil de Fato RS